Quatro corpos de motoristas de APP são encontrados dentro de sacos

Bahia – Quatro motoristas de aplicativos foram encontrados mortos, com sinais de golpes de facão, na manhã desta sexta-feira (13), na comunidade Paz e Vida, no bairro da Mata Escura. Os corpos foram encontrados enrolados em sacos plásticos, numa área de vegetação da localidade, a poucos metros de um barraco, onde as vítimas foram mantidas em cárcere privado, torturadas e depois executadas.

Um quinto motorista de aplicativo conseguiu escapar dos criminosos e relatou à polícia que todas as vítimas foram atraídas ao local para uma emboscada após atenderem ao chamado de duas travestis, que solicitaram as corridas para a comunidade. Lá, as vítimas foram rendidas uma a uma por três homens ainda não identificados.

“Ele escapou depois de conseguir se livrar de um dos assassinos e se jogar num matagal. Ele chegou a ser perseguido, mas não conseguiram pegá-lo”, contou um agente do DHPP, que esteve na cena do crime.

Segundo a Polícia Miliar, a vítima que fugiu encontrou nas proximidades policiais do Batalhão de Guardas (BG) do Presídio da Mata Escura. Ele disse que o veículo havia sido abandonado na localidade. A partir da denúncia, policiais da 48ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM/Sussuarana) foram até o local informado.

De acordo com a PM, chegando lá, o carro da vítima foi encontrado, e, durante as busca aos autores do crime, foram encontrados quatro corpos em sacos, e um outro veículo abandonado nas proximidades.

Três mortos foram identificados como: Alisson Silva Damascena dos Santos 27 anos, Sávio da Silva Dias, 23, Daniel Santos da Silva 30. Uma quarta vítima ainda ainda não foi identificada. O caso é investigado pelo Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP).

A polícia encontrou quatro dos cinco carros usados pelas vítimas. A Polícia Civil informou que o titular da Delegacia de Homicídios Múltiplos, Odair Carneiro, vai investigar o caso. Nenhum morador da Paz e Vida quis comentar o ocorrido.

Investigação
Por volta das 10h, policiais do DHPP chegaram à Rua Nepal, que fica perto da entrada do bairro Jardim Santo Inácio, onde está a Paz e Vida – uma comunidade formada por barracos de madeira erguidos nos fundos do Complexo Penitenciário da Mata Escura.

A polícia ainda não sabe qual a relação entres as vítimas e os autores. “Ainda está tudo muito prematuro e preciso cruzar muitas informações”, disse o Barbosa, sem dar mais detalhes. Os corpos foram encontrados ainda dentro da comunidade, num área de estrada de terra.

“Eram quatro corpos enrolados em lonas e todos apresentavam golpes de facão. A informação que chegou à Polícia Civil é que todas as vítimas eram motoristas de aplicativo, que foram atraídos para o local, colocados em cativeiro por algumas horas, torturados, e executados separadamente”, declarou o perito médico Marcos Mousinho, do Departamento de Polícia Técnica (DPT).

Ele comentou o fato do suposto envolvimento de duas travestis e três homens no crime. “Sim, alguns policiais comentaram essa versão, mas, para a perícia de local de crime, não é relevante, mas a informação está sendo apurada pela Polícia Civil”, disse Mousinho.

As vítimas não foram executadas onde os corpos foram deixados. Um rastro de sangue levou os peritos para um barraco, a cerca de 10 metros. Dentro do imóvel de chão de barro e erguido por pedaços de madeira, no que seria uma sala, havia um fogão velho e poças de sangue. Mais ao fundo, um gambá morto sobre uma cama. Já nos fundos, poças de sangue, em posições distintas. “Foi aqui que eles foram torturados e mortos”, declarou Mousinho.

Um dos carros dos motoristas foi encontrado abandonado no Centro Industrial de Aratu (Cia). Os demais estavam ainda na comunidade Vida e Paz – dois deles, o Renault Sandero vermelho (PJU-2880), e o Hyundai HB20 (PKL 5B28) estavam próximos de um matagal. Já o Fiat Uno (OVA 9B99) estava estacionado dentro de uma garagem de um barraco vazio – a polícia está à procura também do proprietário da moradia.

Alguns parentes das vítimas estiveram no local, mas não quiseram falar sobre o assunto.

 

Tags

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar