Home / Destaque / Operação combate extração ilegal de madeira na RDS do Tupé

Operação combate extração ilegal de madeira na RDS do Tupé

 Uma operação conjunta, realizada na manhã desta quinta-feira, 30/11, resultou na aplicação de multa no valor de 251 Unidades Fiscais do Município (UFMs), o equivalente a aproximadamente R$ 25 mil, e na notificação do infrator acusado de exploração ilegal de madeira na Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do Tupé. A autuação ocorreu na comunidade Agrovila, uma das seis que integram a RDS, com 504 habitantes. O trabalho foi realizado em parceria pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas) e Delegacia Especializada em Meio Ambiente (Dema), da Polícia Civil, a partir de denúncias recebidas pelos dois órgãos.

 “Enquanto órgão gestor da RDS, mantemos as equipes de fiscalização em alerta para atendimento de denúncias relativas à área e nossos principais parceiros são os moradores ribeirinhos, atentos às práticas ilegais que colocam em risco a segurança e a conservação da reserva”, afirmou o diretor de Fiscalização da Semmas, Eneas Gonçalves. O suposto infrator foi enquadrado no artigo 138, inciso 18, da Lei 605/2001, que descreve como infração grave danificar árvores em Área de Preservação Permanente (APP) de unidade de conservação. Segundo Eneas, o atendimento de denúncias continuará sendo realizado no local.

                                            

 Na mesma comunidade, policiais e fiscais fizeram a demolição de duas cercas construídas com madeira extraída da reserva e utilizada para a demarcação de terrenos a serem ocupados irregularmente. Os responsáveis foram notificados a comparecer à sede da Dema para que seja lavrado o procedimento criminal acerca das infrações constatadas. No local, a operação localizou diversos troncos de madeira cortados, resíduos de desmatamento, e madeira beneficiada.

 De acordo com a Diretoria de Áreas Protegidas da Semmas, a RDS é uma categoria de unidade de conservação de uso sustentável e se destina a conciliar o uso dos recursos naturais e a proteção do território ao modo de vida tradicional. Atualmente, as seis comunidades reúnem aproximadamente 5 mil habitantes, num território de mais de 12 mil hectares, que integra o Mosaico de Áreas Protegidas do Baixo Rio Negro.

Veja Também

Narcotraficante preso no Nordeste coordenava ações criminosas no Amazonas, diz Seai

Apontado como líder de uma facção criminosa que atua no Amazonas e ligado a diversos ...

Urgente: Após morte de motorista, ônibus são recolhidos e protesto anunciado para esta sexta

Após o assalto ao ônibus da viação São Pedro que terminou com a morte do ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

error: Content is protected !!